Almost There – Visto

Como um brasileiro reles mortal tira o “Visa Tier 4 (General) Student”?

Esse tipo de visto é baseado em um sistema de pontos: é preciso fazer 40 pontos, 30 referentes a um CAS (Confirmation of Acceptance for Studies) emitido pela Universidade, e 10 pontos relativos à comprovação de que você tem dinheiro suficiente para se manter lá fora e pagar as taxas da Universidade (isso prova que você não tem intenção de rouba-los, valeu CAPES!). Até hoje não entendi porque são exatamente 30 e 10 pontos; podia ser qualquer outro número, não?!

Então, tudo que tem que ser feito é provar que você 40 pontos garantidos. E não mentir, omitir, fingir que vai mentir, usar documento falso jamais okay. É avisado que isso pode te deixar longe do Reino Unido por dez anos! Ah, e também tem que pagar…

Vou contar como foi o processo que passei para tirar o visto. Senta que lá vem a história.

Primeiro esperei que me mandassem o CAS e que as cartas de concessão de bolsa assinadas  chegassem. Eu pensava que seria necessário ter esses documentos para dar entrada pelo site da UKBA (UK Border Agency), mas só é preciso mesmo coragem e um cartão de crédito internacional, habilitado para transações internacionais. Coragem, para responder todas as perguntas e dizer que está ciente de que, apesar de todo seu esforço e rombo na sua conta bancária, não existe garantia de que você terá, de fato, permissão de entrada na Terra da Rainha e redondezas.

Eu sabia que o preço disso era perto dos novecentos reais, mas os valor dado pela UKBA foi em dólar: USD 477. Sabe-se lá quanto seria isso em real, já que eu não sabia qual a taxa de câmbio que eles usariam, mas eu acreditava que ainda ficaria em torno de novecentos. Anos depois, quando veio a fatura do cartão, foi verificado que o IOF lascou-nos mais ainda.

Depois da aplicação pelo site, descobri que tinha mesmo que responder um tal de Appendix 8. Será que é oito porque esse é o número de páginas do formulário? Só agora pensei nisso… Algumas pessoas dos grupos do facelivro (Annabee feelings) relacionado ao CsF-UK estavam desesperadas tentado responder esse formulário. Algo do tipo “vou tocar fogo nisso!”. Tá, no fim das contas nem foi a coisa mais complicada do mundo responder o Appendix 8 (depois que muita gente linda já tinha o feito e colocado umas respostas no grupo para ajudar os amiguinhos, além  da coleguinha de Newcastle ter mandado e-mail dizendo o que colocar em alguns campos, hihi).

O problema maior foi que, todos os documentos (e cópias) não são simples enviados para a terra dos vistos a serem emitidos. Existem três centros de visto do Reino Unido em todo Brasil! Sendo o centro dos centros no Rio de Janeiro e os demais em São Paulo e Brasília. De qualquer canto do país, o requerente tem que ir para um desse lugares para deixar documento (inclusive IELTS), fotos 3,5×4,5 frescurisadas, digitais e mais foto (dado biométricos).

Eu acho meio absurdo isso de ter que sair de Recife (ou pelo menos qualquer outra capital) e ir lá para uma das cidades de centro de visto para poder sair do país. Como se não bastasse a taxa paga no momento da aplicação, ainda ter que pagar sedex. De São Paulo ou Brasília é tudo encaminhado para o Rio de Janeiro, e de lá, depois de ser emitido, o visto e documentos originais vão para sua casinha.

Se você também está participando do Ciências sem Fronteiras, ou está pensando em participar, pretendendo ir para o Reino Unido, vai começando a juntar um dinheirinho. Altamente recomendado, senhores estagiários ou bolsista de iniciação científica, oi?

Marquei o appointment para São Paulo (marca-se dia e hora no site da WorldBridge Service). Fui em um pé e voltei noutro. Não foi uma “entrevista para visto” e nem falar inglês foi necessário! Todo mundo brasileiro e arrumadinho, já preparados para receber uma manada de participantes do CsF. Em poucos minutos tudo que restou para fazer foi rezar.

Para mim, a “melhor” parte de ter ido para São Paulo foi viajar de avião; nunca tinha feito isso, então, acho que não seria a coisa mais linda do mundo que o primeiro voo durasse cerca de doze horas.

Exatos onze dias depois, chegou os documentos originais e o bendito.

C=

Cabousse mais umas parte.

(:

Anúncios

One thought on “Almost There – Visto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s